Konami processada por descriminação

Konami

Uma empregada da Konami processou a companhia japonesa por descriminação depois de ter voltado ao trabalho após a licença maternidade.

Yoko Sekiguchi, responsável pelas licenças das equipes e jogadores estrangeiros na famosa série Pro Evolution Soccer, ficou de licença maternidade em Outubro do ano passado e voltou ao seu trabalho em Abril. No entanto ao voltar à empresa descobriu que tinha sido colocada num cargo inferior, por ter tido uma longa licença maternidade, e que passou a ganhar menos 200 mil ienes (cerca de 4500 Reais) no seu salário mensal.

A empregada acusa a companhia japonesa de “descriminação dirigida a empregadas femininas que optem pela licença maternidade” e exige uma indemnização de 33 mil ienes (735 mil reais) por danos e prejuízos.

“Decidi tomar uma ação judicial porque algumas das minhas colegas estão recebendo o mesmo tratamento,” comentou Sekiguchi.

1 comentário

    • Yano em 22/06/2009 às 14:13

    Olá pessoal

    Da uma conferida ai, axo q a indenização q ela pediu foi de 33 milhões de ienes e nao 33 mil

Deixe um comentário

Seu e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.