Voltando dos mortos…continuação de “Por trás das asas”

E aí galera sentiram minha falta?Mais uma vez estou aqui a pedidos…Fui numa reunião do pessoal da CAVVES,que deverás,não quase ninguém…O Master já tinha ralado o peito,tava o Mig e um outro brother aí marquei um 10 lá,sendo ex-integrante ainda.Eles me contaram q algumas pessoas sentiam minha falta outras queriam o resto da história então…”eu voltei(8)”.Naquele esquema…some,aparee,some,aparece.É pra sentir saudade senão fica palha sabe como é. xD

Então vamos prosseguir com a história,como sempre o cap. é improvisado e estamos no cap6…confere?Senão for…agora é,pq a história é minha e eu mando nessa porra.’Bora lá então…

Por trás das asas

Cap.6:Lágrimas

 

Tentei pensar em outros meios de salvar Redeath. Não havia um pingo de criatividade,mais…Ou matava a serpente mãe ou a serpente filha,estava ruim de qualquer jeito.Queria ser a Cinderela agora “Apresse-se fada madrinha!Eu preciso do vestido e da carruagem pro baile”.Eu já estava que era pura ironia.Afinal,ela já fazia parte da minha personalidade e do meu charme irresistível. Eu estava cansado…Mas precisava agir,meu amigo,parceiro,companheiro de fé,irmão, camarada e colega de boteco tá nos ultimos,e não é nos ultimos copos de lora gelada, é nos ultimos momentos de vida…morte…sei lá.

Eu comecei a vagar sem rumo,outra vez…Era tudo o que eu queria nesse momento.Está numa ilha deserta com um monte de homem e duas cobras atrás de mim.É um tremendo de um progamão,estou louco pra ver como pode melhorar.

Na minha frente só tinha árvore,cipó,mato,arbusto…qualquer inferno que pudesse me atrapalhar de me locomover tinha.Mas tinha que prestar e eu tinha que correr.Eu vi a sepente,se arrastando,por pouco não me deparo com ela…tinha que a seguir de uma distancia considerável….O suficiente para ela não me ver e que eu tambem,não a perca de vista…Mas também perde um trem desse tamanho é óculos na certa e sem discussão.Comecei a voar…ir pelo  pântano estava cansativo,preciso de poupar o pouco de energia que me restava.Ao contrário do que muitos pensavam,eu ainda não era de ferro…e nem imortal.

A cobra seguia para um vale “Mas que boteco é esse minha gente”,pensei alto ao ver a serpente,e junto com ela,vindo de lugares diferentes,outras serpentes que iam se aproximando de um lago profundo de onde saia uma espécie de rainha das serpentes,um dragão…um troço que era igual aos outros em muito maior.Está pensando em começar a escrever meu testamento já.Acho que o único bem que eu tinha está servindo de travesseiro para o Redeath nesse exato momento.E como eu não tinha um plano,nem se quer um seguro de vida,resolvi…me jogar.

Parei de voar em cima do centro do lago,meu corpo antes estavam jogado ao vento,depois minhas cabeça ficou em direção ao chão.Guardei as asas e desci igual um meteóro  quando estava próximo da água,invoquei as asas mais uma vez e fui pra luta…Serpentes esbaforam,nem sei se essa palavra existe,mas isso que pensei,por toda parte.Abrindo suas bocas enormes,com presas que pingavam veneno.Eu zig zagueave por entre elas,criando um alvoroço sem tamanho…até que uma voz firme,autoritária e inesperada surgiu do além.

“Já chega!”

Todas as serpentes pararam em posição…A mesma que de soldados…Me pareceu uma piada e ri internamente.Quando olhei para trás vi a monstruosidade mór,que paraiva sobre mim,encarando-me com os olhos a finco…Vermelho,como sangue.O sangue que preciso para salvar Redeath.Penso se aquela praga fosse mulher não dava tanto trabalho,despesa,stress…Pqp.Mas tá bom.

“E então…A convenção das serpentes já começou e eu estou interrompendo ,ó poderoso chefão!”

Ri…Uma gargalhada escandalosa jogada ao vento em seco.Regado de sarcasmo e nervosismo,tudo fruto da minha eprsonalidade em meio piorado pela falta de sono.Saudades da calmaria da vida de andarilho…Minha maior preocupação era com malucas obscenas que decidiam que eu tinha um relacionamento fixado a elas.Não sei de quem tinha mais pena,de mim ou delas.

“O que gostaria de nós,jovem Nathan?”

A voz grutural sinistrogêna me perguntava,sendo que o dono da mesma se encontrava bem prómo de mim.Eu o olhava impassível.E revirei os olhos,sabendo que aquele projeto de Mestre dos magos,fundido ao Yoda com o corpo de Shen long sabia o que eu queria.Permaneci em silêncio encarando-o por mais alguns instantes, que eu não sabia quanto tempo poder5ia ter se passado.

“Muito bem…O senhor está aqui contendo informações de bagagens passadas meu jovem.Mas…Saiba que nosso sangue não irá ajudar seu amigo.Mas poderá acabar de matá-lo,se assim desejar…”

A serpente se afundava em meio perdio ao grande lado.Eu a fitava incrédulo e antes que por ventura,pudesse desaparecer me disse.

“Lágrimas meu jovem…lágrimas são tudos o que preciso.”

De que?De quem?Onde?Como arrumo?

Como se ouvisse meus pensamentos ele respondeu…

“Lágrimas de quem se ama e que ao mesmo tempo não se pode amar…”

Meus olhos se arregalaram,e então eu já sabia quem era…Medusa.

Veja os capitulos anteriores:

Cap.1:Próxima encomenda

Tragédia

Cap.3 Criaturas

Cap.4 Viagem turbulenta

Cap.5: Complicado

5 comentários

Pular para o formulário de comentário

    • mig7 em 30/01/2013 às 0:12

    Bem vinda de volta Naty rsrs e como sempre em grande estilo

    • Allan em 30/01/2013 às 10:42

    Finalnte vou consegui terminar de ler esse conto rs Bom ter aqui e novo Naty san

    • em 30/01/2013 às 21:28

    sempre Mig…estilo é meu sobrenome aushaushau’

    • em 30/01/2013 às 21:29

    Muito thank you!Pois eh…espero q ele tenha um fim pq nem sei o q vou escrever kkk

    • Rukia em 31/01/2013 às 8:53

    Quero o Nathan pra mim *-*

Deixe uma resposta

Seu e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.